sexta-feira, julho 14, 2017

Reencarnação, carma, metempsicose, metensomatose, transmigração



Ao contrário do que os espíritas pensam a reencarnação não pode explicar nunca o porquê de existirem doentes e sãos, por exemplo. Pois não resolve a questão do que aconteceu com os primeiros homens para que eles tenham sofrido sem que tivessem vivido antes para depois poderem “resgatar”, “expiar” suas faltas.

Um exemplo: vamos pensar que houve alguém lá no início da vida, em sua primeira existência, que foi assassinado. Por que isso aconteceu? Ele nunca tinha feito nada, não tinha “carma” (termo que teve o significado deturpado pelos neo-espiritualistas), então porque sofreu tal violência? Se alguém sofreu uma violência e não fez nada por merecer aquilo, cai por terra a doutrina da reencarnação e do carma dos neoespiritualistas. Pois se não havia porque ser morto (não havia ações passadas a serem “expiadas”), então por que haveria de ser diferente depois? Porque deveria ser lei?

Aliás a reencarnação, uma ideia moderna, é uma tremenda confusão, uma simplificação grosseira repleta de ideologia saída das cabeças dos socialistas franceses que queriam a qualquer custo tentar explicar o porquê das diferenças entre os homens. Confundiram as idéias de metempsicose, com metensomatose, transmigração e carma e pensaram assim dar uma explicação para a causa do sofrimento do ser humano. A reencarnação como é defendida por espíritas, neo-espiritualistas, new agers e falsos gurus das seitas hindus nunca foi ensinada pelos povos antigos! A tradição hindu não ensina que o ser humano venha a renascer em outro corpo após a morte!

Para que os neoespiritualistas possam sustentar esta falsa doutrina, a da reencarnação, terminam por distorcer as Escrituras Sagradas. E não só a Bíblia, como também os livros de outras civilizações, como o Gita, por exemplo.
  
A metensomatose é nada mais que aquilo que conhecemos hoje como herança genética. Ou seja, o renascimento do pai no filho, a descendência dos seres.

A transmigração se refere às mudanças que passamos na vida, mudanças tão profundas que são como a morte e o renascimento.

A metempsicose é a herança psíquica.

Carma é ação. E não a tal de “ação e reação” defendida pelos espíritas e teosofistas.